terça-feira, 2 de novembro de 2010

Kubuntu 10.10

O ambiente KDE é realmente muito mais bonito que o GNOME. Mas beleza não é tudo.


Apesar de todo empenho em modificar a cara do Ubuntu, o Kubuntu ainda é mais charmoso. Por ter me decepcionado, a primeira vista, com o Unity, tentei migrar para o seu irmão KDE, mas apesar dos pesares, preferi me adaptar às imposições da Canonical.



Primeiro, por já está acostumado ao GNOME, sei onde encontrar tudo, configurações, etc, etc. Já no KDE, teria que recorrer a wikis e foruns constantemente, e não tenho mais tempo para isso.

Não há uma opção de iso isolada para a versão Netbook Remix ou Desktop. Tanto que baixei achando que iria instalar a Desktop em meu EeePC, mas depois da instalação vi que ele automaticamente modificou a aparência para se adaptar a tela do Netbook.

Na instalação, assim como no Ubuntu 10.10, temos também a opção de instalar os pacotes básicos, para obter mp3, java e flash sem complicações. Mas não foi bem isso o que aconteceu.


Ele instalou apenas os codecs de mp3, fiquei sem vídeos, flash e java. Pode ter sido algum problema com minha conexão na instalação, mas não creio que foi isso o que aconteceu.

Depois da instalação, sem avisos de erros, tentei baixar o pacote Kubuntu-restricted-extras, o que eu achava que fosse o equivalente ao Ubuntu-restricted-extras no Ubuntu, mas o pacote tinha menos de 5mb, contra mais de 90mb do seu "irmão". Tive que instalar esse último para ter todas funcionalidades prometidas. Aí sim, estava com todos os codecs instalados, flash rodando e java sem problemas no site do Banco do Brasil. Só um detalhe, mais em baixo eu conto.

Para baixar esses pacotes é preciso conexão com a internet, claro. No Kubuntu é tão simples quanto no GNOME. Basta clicar no ícone de redes e selecionar a desejada.


Só um detalhe. Ele sempre pede a confirmação de senha, para acessar a "carteira", antes de se conectar a uma rede sem fio. Deve ter como desabilitar isso, mas ô preguiça...

Achei muito complicada essa disposição dos aplicativos. Está separada por categorias, ok, mas e o resto? Não achei um simples editor rápido de texto, como um Notepad ou Gedit. Mas o OOo estava lá.


O gerenciador de arquivos/diretórios é bem legal. Tem uns detalhes interessantes. Como previsualização em miniatura. Chato foi descobrir que os arquivos abrem com apenas um clique. Nem tente selecioná-los com um mouse que PAN, ele abre.




Olha o detalhes dos codecs aí. Filmes em rmvb não abriram no player padrão. "Ah mas é só instalar o VLC, etc. etc." Não, estou mal acostumado, quero um só programa fazendo tudo aquilo que ele tem que fazer. Keep It Simple Stupit!!

Filmes em avi foram de boa.


Agora um diferencial do KDE, a adição de widgets por default no Desktop. Basta clicar no ícone no canto inferior direito da tela para selecionar o que fazer.


Além de poder colocar widgets no Desktop padrão, temos uma área só para eles. Isso é bem interessante. Dá para por rss, previsões do tempo, status do sistema, joguinhos, redes sociais etc etc etc



O painel de configurações é bem organizado. É aqui que você encontra como modificar a aparência, aplicar efeitos e demais configurações do sistema. Não tive muita coragem para mexer aqui a fundo, pois já estava desapontado com algumas coisas. Mexi apenas no tema e em alguns efeitos.





Nessas imagens podemos ver o Desktop com outro tema, e os efeitos de transição de janelas (alt+tab). Porém, depois de reiniciar o sistema, apenas o tema permaneceu, os efeitos, apesar de ainda estarem marcados nas configurações, não funcionaram, ficando como no padrão, assim:



Eu quase não uso mais aplicativos de bate papo, quando tenho tempo para isso, fico lá pelo gtalk incorporado no gmail mesmo. No Kubuntu o app padrão para isso é o Kopete. A princípio achei legal, parece mais amigável que o Empathy (prefiro o pidgin, humpf!).



Na primeira imagem, a janela de conversa fica daquele tamanho mesmo, não há como redimensionar. Para ter conforto, só maximizando a janela, clicando láááá na caixinha na barra de tarefas, perto do X.

A barra de tarefas é bem completa. Tem tudo lá. O menu, como se fosse um menu global, o botão "Pesquisar e executar", que mostra o desktop, "Página um" é a página de widgets, os ícones de notificação e por fim, as janelas abertas com suas únicas opções, des/maximizar e fechar. Não há o botão de minimizar.

Até aqui mostrei mais vantagens que desvantagens do Kubuntu, por que não fiquei com ele? Sou chato. Muito chato. E alguns até diriam, preguiçoso. Sou baiano, está no sangue, hehe.

O principal motivo falo mais embaixo. O primeiro deles, mas não tão chato, são as fontes nos navegadores. Não pesquisei como arrumar isso na internet, tentei pelas configurações do sistema, modificando as fontes, mas não deu. Só fica ruim assim nos navegadores, nos outros aplicativos fica normal


Agora vem a parte mais chata, para mim. Eu vivo ouvindo música. Adoro música, e tenho centenas de cds armazenados em meu HD. Um player eficiente é tudo que eu preciso. Na verdade não precisa ser tão eficiente, mas ser apenas eficaz não é o bastante. O Amarok é muito bom. Completíssimo. Tem arte de capa, organiza a playlist por artistas/cd/música , mostra até as letras por padrão. Excelente. Se não fosse por um detalhe. Ele demora horrores para carregar minha playlist de apenas quase 14000 faixas. Horrores mesmo, são mais de 10 minutos aguardando a primeira música tocar.

Deve ter uma opção para fazer ela carregar mais rápida, ou você pode me recomendar outro player, mas eu vou te lembrar, sou chato. Quero simplicidade. Gosto de usar os aplicativos padrões do sistema.


Para todas minhas queixas aqui citadas, há uma solução. Sempre há, a comunidade está aí para isso, resolver todos nossos problemas.Mas o meu não é com o KDE, nem com o Kubuntu, e sim o vício do Ubuntu.

Não posso falar que "sei mexer no GNU/Linux", mas sim "sei mexer no Ubuntu". Bastou uma simples visita a um sistema sem o GNOME que fiquei perdido, como todo usuário de primeira viagem.

Mas também não posso falar que sei mexer no GNOME, pois se pegar um Fedora, teria que pesquisar como instalar programas, qual o gerenciado de pacotes padrão, etc etc.

Nenhuma distribuição é igual a outra. Até mesmo as que se derivam, como é o caso do próprio Ubuntu, derivado do Debian. Você tem que testar a que melhor se adapta a suas necessidades.

Mas tenho outra teoria. Você tem altas probabilidades de ficar com a primeira distro que usar, pois é nela que você vai se aperfeiçoar mais, procurando como solucionar problemas e foruns e arquivos de ajuda como wikis. Aí que entra outro detalhe. A distribuição que contar com mais comunidades tem mais chances de te agradar. Pois fica mais fácil encontrar soluções para suas dúvidas.

Foi o que aconteceu comigo e o Ubuntu. E pode ter sido o que aconteceu com você e o Kubuntu ou outra distro com KDE. Por isso não entenda esse post como um ataque ao KDE e sua comunidade. É apenas falta de adaptação da minha parte.

Meu parecer é esse, o KDE no Kubuntu é lindão. Mas já estou acostumado demais com o Ubuntu para abandoná-lo. Até com o Unity já fiz as pazes.

Se quiser testar o Kubuntu, fica a dica.

7 comentários:

  1. Danne,

    Boa resenha, mas parece que você avaliou o Kubuntu 10.10 Netbook Remix, e não o Kubuntu 10.10 Desktop...

    ResponderExcluir
  2. Sim, goncin. Como eu disse no 4º parágrafo. Não há uma iso para cada versão. Minha idéia era testar a Desktop, mas ao instalar e detectar as configurações do meu sistema, a versão Netbook se tornou padrão, e não achei uma opção para trocar.

    ResponderExcluir
  3. Amo KDE!! Não consigo me acostumar com Gnome!! uso o Kubuntu desde 8.10!!

    Instale o Kubuntu desktop e veja a diferença.
    http://twitpic.com/33efbb

    ResponderExcluir
  4. Ola,
    Há 4 anos atras, na epoca tinha uma lan, fiquei saturado do XP e M$, tinha uma lenda que falava que linux erra muito dificil porem seguro e eficiente, pensei se facil e igual xp ruim com todos os defeitos e sim penei com o xp desde seu lansamento, aff. Então vamos lá conhecer o tal do dificil linux meu primeriro contato foi com o Kurumim, gostei muito varios pontos fortes e positivos o contra ja estava fora de desenvolvimento aff, ai usei o Fedora durante uns dias, tambem muito bom porem deu kernel panic até hj ainda não me responderam no forum aff, não estou reclamando, ai varios lugares estava lendo do tal do Ubuntu, foi meu primeiro distro que ficou sem dual boot, me apaixonei logo no primeiro uso, fui ver naruto estava em rmbv o arquivo e apareceu um dialogo falando que não tinha se eu gostaria de instalar, bonito, facil de usar e educado e muito mais, hj é meu distro padrão!
    ja tentei outros momentos mudar e tive tudas estas dificuldades ai que vc falou e muitas outras aff
    KDE é lindo cheio de visuais bacana.
    O santa evolução dentro de uns meses terei que evoluir pra outro distro? Será!?
    No mais muito bom seu post
    sucesso mils

    ResponderExcluir
  5. Minha idéia era instalar a Desktop mesmo, mas a versão Netbook ficou por padrão automaticamente, e não achei onde trocar. Essa é a verdade, o costume nos impede de olhar com outros olhos para outros ambientes/distros.

    ResponderExcluir
  6. Caraaaaa... estou sofrendo exatamente o que vc passou, e é nesse exato momento...
    a minha 1ª distro foi o Ubuntu, lá que aprendi o pouco que sei hoje, mas fiquei encantado com a beleza do kubuntu e resolvi testá-lo... :-/ Puft!! estou perdido do mesmo jeito que vc falou nessa materia... :'(

    ResponderExcluir
  7. Dica:

    Ir em System Settings > Workspace , lá é possível mudar a "tela" de aparência, de Netbook para Desktop:

    Conforme:

    http://digitizor.com/2010/09/18/how-to-switch-between-desktop-and-netbook-workspace-in-kubuntu-10-10/

    ResponderExcluir